16 de jun de 2011

Trouxe um cavalo pra mim?

Era a estréia do cinema na cidadezinha e o pai queria que Francisco conhecesse aquilo que ele não teve oportunidade de conhecer quando criança. Iam passar Era Uma Vez No Oeste, um faroeste que tinha acacado de estrear nos cinemas americanos.
Depois do filme, Francisco saiu montando uma vassoura e anunciando que seu nome agora seria Frank e que era um cowboy fora da lei. A brincadeira durou um bom tempo, mas logo Frank mudou. Foi o computador HAL de 2001: Uma Odisséia no Espaço, quando andava pra cima e pra baixo com uma máquina de escrever quebrada amarrada no pescoço e só se comunicava através de bips. Depois de HAL, virou o Dr. Zaius de Planeta dos Macacos, que colou em si uma pelagem rosa e amarela raspada dos ursinhos da irmã menor. Foi bem nessa época que uma prima de Francisco o acusou de levar pulgas pra casa pra ficar catando do cabelo e comendo.
Francisco adorava tudo sobre cinema, lia revistas, não desgrudava do rádio quando entrevistavam algum ator e não pensou 2 vezes quando teve a oportunidade. Aprendera inglês de tanto ver filmes, tinha algum dinheiro guardado, a família o apoiava. E saiu da cidadezinha aos 16 anos com destino a Hollywood.
Com seus dotes pra fazer fantasias, Francisco logo arrumou um emprego de auxiliar de cenário e maquiagem em pequeno estúdio. Mas o que ele buscava era a frente das câmeras. E ia fazer o que fosse preciso pra impressionar alguém.
Francisco ficou amigo de um motorista de outro estúdio, que parecia saber todas as fofocas de todos os artistas. Esse motorista, Conner, lhe contou que outro dia mesmo durante as filmagens de um bang bang, o contra-regra responsável pelos tiros da cena impressionou um figurão rodando as pistolas e colocando no bolso. Agora esse contra-regra ia ser o ajudante do Sheriff que roda a pistola e fala uma frase de efeito quando avisam que os bandidos estão chegando.
-É isso, pensou ele, vou fazer alguma coisa chamativa e conquistar meu lugar no filme.
Aí que soube que Charles Bronson viria visitar o estúdio pra falar sobre um projeto. Aquele mesmo Harmônica, seu inimigo de infância desde o momento em que matou Frank no cinema. Francisco, agora Frank Fonda em homenagem a seu maior herói, sabia o que tinha que fazer, e passou as semanas seguintes obcecado por um plano de vingar a morte de Henry Fonda no filme.
Tudo acertado entre o estúdio e o ator, Harmônica viria filmar. Era a oportunidade perfeita pra colocar em prática seu plano de vingar o Frank original e chamar atenção do diretor.
Na primeira semana de filmagens, estavam fazendo apenas as cenas externas. Nessa cena Harmônica (Sheriff Colton Cameron nesse filme) e o Federal Marshal voltavam do deserto e deixavam os cavalos no estábulo enquanto eram seguidos por uma dúzia de cameras posicionadas em diversos angulos. Frank também estaria posicionado. Quando chegou a hora de filmar, Frank se ofereceu pra ir buscar o cavalo de Harmônica. Frank sabia o que fazer. Fingiria que o cavalo disparou pra cima de Harmônica, quando estivesse já em cima de Bronson, Frank ia domar o cavalo e mostrar pro diretor que aquele atorzinho se assustava com qualquer coisa, e ele, além de ter nervos de aço, era um excelente cowboy.
As câmeras estavam ligadas para um teste de video quando Frank voltou dos estábulos montado no cavalo. O dublê, que ia cavalgar no lugar do foragido, resolveu tirar uma com a cara de Frank quando o viu. Esperou ele passar, gritou seu nome e deu um tiro de festim em sua direção. O estampido assustou o cavalo, que empinou e arremessou Frank longe.
(continua em um de nossos próximos capítulos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário